Padtec, Quod, ABCD

a55 é nova associada da ABCD

Share:

Especializada em crédito baseado em receita recorrente, a55 é nova associada da ABCD

Responsável pela 1ª operação de crédito com uso de um protocolo de finanças descentralizadas (DeFi) no país, fintech já concedeu mais de R$ 400 milhões em recursos

 

São Paulo, 17 de maio de 2022: Voltada aos pequenos e médios empreendedores da nova economia, a a55 é a mais nova filiada à Associação Brasileira de Crédito Digital (ABCD). Especializada na concessão de crédito baseado em receita recorrente sem a necessidade de garantias reais, a fintech opera por meio de um modelo inovador que permite analisar dados que vão além do faturamento e transações bancárias, ajudando a identificar padrões de renda futuros.

“Ajudamos empresas a alavancar seu negócio por meio do crédito. Nosso público alvo são clientes que possuem dados alternativos, como por exemplo empresas de Software as a Service, e-commerce e clubes de assinatura, o que nos possibilita fazer uma análise de crédito diferente daquela feita pelas instituições financeiras tradicionais, olhando de uma forma nova para o empreendedor”, detalha Hugo Mathecowitsch, fundador e CEO da a55.

Fundada em 2017, a fintech já concedeu mais de R$ 400 milhões em recursos no Brasil e no México – país onde opera desde 2019 – e projeta alcançar neste ano a casa de R$ 1 bilhão acumulado. Atualmente, a a55 trabalha com duas modalidades principais: o crédito digital, seu produto principal, e o co-investimento.

Na primeira delas, empresas com receita mínima de R$ 30 mil podem contratar linhas de crédito de até R$ 450 mil sem exigência de garantia real. Acima desse valor, um acordo trilateral entre a a55, a empresa solicitante e um agente de custódia da conta garante a operação, cujo prazo de pagamento é de até dois anos, com carência de até três meses, sendo recomendada para empresas que tenham pelo menos seis meses de vida.

VEJA TAMBÉM:  Em meio à diminuição de recursos federais, estudantes recorrem a fintechs

Já o co-investimento é direcionado para empresas que receberam aporte de investimento recentemente. A proposta é permitir que empreendedores aumentem o dinheiro disponível em caixa, sem precisar diluir o capital próprio, por meio de uma captação de recursos altamente eficiente e colaborativa. Com o mercado de venture capital aquecido, muita liquidez e um aumento exponencial no volume de aportes – ano após ano -, a a55 quer que os empreendedores entendam que o melhor momento para conseguir dinheiro barato e com boas condições de pagamento é exatamente quando estão capitalizados. A carência pode chegar até seis 6 meses, e o prazo de pagamento é de até dois anos.

Recentemente, a a55 saiu na frente realizando a primeira operação de crédito com uso de um protocolo de finanças descentralizadas (DeFi) no Brasil. De acordo com Mathecowitsch, a iniciativa tende a desenvolver mais o mercado de capitais brasileiro.

“Há alguns caminhos que poderiam melhorar consideravelmente o setor. O primeiro deles é trazer transparência para o mercado, sem precisar de intermediários para tal, o segundo é criar a facilidade para investidores de outros países acessarem o mercado. E o mercado descentralizado (DeFI) pode resolver tais problemas, uma vez que mantém uma excelente relação de transparência pelo blockchain e cria estruturas padronizadas que poderiam ser acessadas por investidores locais ou mesmo por aqueles dos Estados Unidos e Europa.”

Para Claudia Amira, diretora executiva da ABCD, a chegada da a55 reforça o papel da entidade de reunir as mais relevantes fintechs do mercado. “A a55 tem um caráter inovador e disruptivo muito forte, o que tem total convergência com nossos objetivos como associação, de tornar o mercado de crédito mais inteligente, tecnológico, eficiente e inclusivo”, afirma a executiva.

Informações sobre todas as associadas da ABCD estão disponíveis em https://creditodigital.org.br/membros-associados/.

VEJA TAMBÉM:  Vero adota solução Furukawa em nova rede para atender cidade mineira

 

Sobre a ABCD

A ABCD (Associação Brasileira de Crédito Digital) é uma associação sem fins lucrativos de âmbito nacional formada por fintechs que oferecem produtos e serviços financeiros. Em franco crescimento no Brasil e no mundo, as fintechs estão mudando a dinâmica do mercado de crédito. São três os objetivos principais da ABCD: busca de maior eficiência no ciclo de crédito, fomento de iniciativas que propiciem o desenvolvimento do mercado de crédito digital no qual as fintechs associadas atuam e criação de relacionamento institucional consistente com os reguladores e demais agentes do ecossistema do crédito.

Sobre a Agrolend

A Agrolend é uma fintech que nasceu para revolucionar o mercado do agronegócio para pequenos e médios produtores rurais no Brasil, através da concessão de crédito rápido, fácil e sem burocracia. A Agrolend atua através de parcerias com indústrias e revendas de insumos, equipamentos e implementos agrícolas, além de atuar junto a ag techs no financiamento de tecnologia. Os produtores rurais têm acesso ao crédito através de uma plataforma eletrônica, e as operações são originadas e formalizadas em um ambiente totalmente digital, via celular. A Agrolend tem atuação em mais de 10 estados do Brasil e em diversos segmentos como soja, milho, café, cana, frutas, pecuária de corte e leite. A Agrolend SCD S.A. é uma Sociedade de Crédito Direto, autorizada pelo Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução BCB nº 4.656, de 26 de abril de 2018.

Relacionados

cinema itinerante
SÃO GABRIEL DA PALHA RECEBE CINEMA ITINERANTE GRATUITO

SÃO GABRIEL DA PALHA CINEMA ITINERANTE, UMA DIVERSÃO GRATUITA PARA TODAS AS IDADES...

Padtec
Padtec atinge qualidade mundial em índice de lealdade dos clientes

Padtec atinge padrão de qualidade mundial em índice de lealdade de seus clientes...