Sudeste

Cadastro Positivo deve impulsionar redução da inadimplência no Sudeste

Share:

Cadastro Positivo deve impulsionar redução da inadimplência no Sudeste; região é a mais populosa e também a mais endividada do Brasil

São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo somam atualmente 26,7 milhões de devedores

6 de junho, 2019 – Sancionado em abril pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, o Cadastro Positivo, que entra em vigor no próximo mês de julho, vai inaugurar uma nova fase do crédito no país. Um dos principais benefícios da iniciativa, o crédito mais acessível e barato, deverá impactar diretamente a inadimplência, que atinge todas as regiões do país. O atual modelo de crédito das empresas credoras desconhece o real nível de endividamento dos consumidores, o que dificulta e encarece a obtenção dos recursos.

Um estudo realizado pela ANBC (Associação Nacional dos Bureaus de Crédito) com base em dados do setor e do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostra de que forma a inadimplência se distribui hoje entre as gerações, nas diversas regiões brasileiras. Atualmente, cerca de 60 milhões de pessoas têm contas em aberto no país, o que equivale a 40% da população economicamente ativa.

A região Sudeste, com cerca de 80 milhões de habitantes, contabiliza atualmente 26,7 milhões de pessoas inadimplentes, ou 33% da população local e um tíquete médio de dívida no valor de R$ 4.799,00. A faixa etária que vai dos 41 aos 50 anos é a que apresenta o maior número de inadimplentes, cerca de 5,3 milhões de pessoas, enquanto os consumidores de 51 a 60 anos são os que apresentam o maior tíquete médio de dívida, calculado em R$ 5.883.

Os habitantes maiores de 61 anos também mostram um tíquete médio alto, de cerca de R$ 5 mil, além de representarem o segundo maior contingente de endividados. Um dos fatores que pode explicar o endividamento da faixa etária é o comportamento cada vez mais comum entre os aposentados de assumirem compromissos financeiros de seus familiares.

Os mais jovens, na faixa de 18 a 25 anos, apresentam o menor tíquete médio da região sudeste, no valor de R$ 2,4 mil. E o grupo seguinte, com idade entre 26 e 30 anos, tem o menor número de inadimplentes, pouco mais de 3,1 milhões. O fato de os mais jovens apresentarem índices menores é natural, pois ganham menos e têm seus gastos menos comprometidos, assim como sua capacidade de obter crédito. Comparativamente às outras faixas etárias, na verdade, o que o estudo constata é que os jovens já apresentam um endividamento alto, que tende a se agravar com a idade na medida em que assumem outros compromissos mensais, como  a educação dos filhos.

“Ao considerar os dados nacionais e regionais, percebemos que a inadimplência tem fatores peculiares em cada momento da vida. Os jovens sofrem com o cenário de desemprego, e a dificuldade de acesso ao ensino só piora esse quadro. Os mais velhos têm outros motivos, como uma família para sustentar, o que por si só já aumenta muito os gastos”, diz o presidente da ANBC, Elias Sfeir.

Ainda segundo o executivo, além da necessidade de criar oportunidades de trabalho para os mais jovens, a melhor forma de evitar a inadimplência é o planejamento financeiro. Para ele, o novo Cadastro Positivo deve ter uma forte contribuição para aumentar a transparência de informações e melhorar a avaliação de crédito, reduzindo a inadimplência e, consequentemente, levando à queda das taxas de juros para o bom pagador.

Com o novo Cadastro Positivo, o brasileiro será avaliado de maneira individual e mais completa, diminuindo a burocracia das consultas e tornando mais simples a obtenção de crédito. A ação permitirá à população negociar melhores taxas e condições, contribuindo para o planejamento financeiro, resultando na redução das dívidas. Em todo o território nacional, o CP tende a promover uma redução de até 45% no número de devedores.

Sobre a ANBC

A Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC) é uma associação civil de direito privado, sem fins lucrativos que tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento sustentável do crédito no Brasil. A entidade congrega os birôs de proteção ao crédito que atuam no território brasileiro e mantém relacionamento com associações internacionais para promover as melhores práticas do setor. A ANBC é membro da Associação de Fornecedores de Informação de Crédito ao Consumidor (ACCIS), entidade internacional que reúne 39 birôs de crédito e da Associação Latino Americana de Birôs de Crédito (ALACRED).

 

Relacionados

cinema itinerante
PRESIDENTE VENCESLAU RECEBE CINEMA ITINERANTE

PRESIDENTE VENCESLAU RECEBE CINEMA ITINERANTE, UMA PROPOSTA DE DIVERSÃO GRATUITA PARA TODAS AS IDADES...

Cadastro Positivo
Cadastro Positivo pode aumentar a arrecadação de impostos estaduais no MA

Em vigor a partir de 9 de julho, novo Cadastro Positivo pode aumentar...