5G

CPQD apresenta 18 sugestões para a Estratégia Brasileira de Redes 5G

Share:

CPQD apresenta 18 sugestões para a Estratégia Brasileira de Redes 5G

Campinas, 19 de agosto de 2019 – O CPQD apresentou um total de 18 contribuições, em quatro eixos temáticos, à consulta pública realizada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) com foco na elaboração da Estratégia Brasileira de Redes 5G. Encerrada no dia 31 de julho, a iniciativa do MCTIC teve como objetivo colher subsídios para o documento, que deverá trazer um diagnóstico de desafios e um mapeamento das oportunidades propiciadas pela implantação da tecnologia 5G no Brasil.

No eixo temático Aplicações, o CPQD contribuiu com oito sugestões, nas áreas de cidades inteligentes, agronegócio, indústria 4.0, utilities, defesa e segurança pública, saúde, educação e radiodifusão (com abertura de novas oportunidades em comércio eletrônico, infotainment e educação, entre outras). Em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, foram seis contribuições – entre elas, a criação no país de uma Rede Experimental Nacional em que pesquisadores, empresas, professores e alunos tenham condições de trabalhar com redes 5G e IoT efetivamente operacionais, favorecendo a pesquisa aplicada. Além disso, o CPQD apresentou duas contribuições referentes ao tema Segurança e outras duas no eixo Radiofrequência.

“Na área de radiofrequências, estamos propondo o uso de sistemas de compartilhamento dinâmico de espectro, de modo a atender às recomendações da União Internacional de Telecomunicações (UIT) e, ao mesmo tempo, resolver o problema da limitação de espectro disponível, que não é exclusivo do Brasil”, afirma Gustavo Correa Lima, líder da Plataforma de Comunicações Sem Fio do CPQD. A recomendação leva em conta soluções adotadas em outros países – em particular, da Europa e os Estados Unidos – que preveem o acesso compartilhado a espectros licenciados. 

“No caso do 5G, o  compartilhamento dinâmico de espectro, principalmente em faixas que já usam a tecnologia em outros países, permitiria a harmonização internacional do espectro e a inserção do Brasil em um ecossistema de fornecedores já existentes”, explica. E isso, segundo a proposta do CPQD, agregaria maior potencial de disseminação da tecnologia 5G em áreas rurais, em regiões de baixa atratividade comercial e, principalmente, em redes limitadas privadas.

A outra sugestão apresentada para o tema radiofrequência está relacionada à implantação de redes IoT (Internet das Coisas). Em sua contribuição, o CPQD lembra que as frequências inferiores a 1GHz – conhecidas como sub-GHz – são consideradas mais propícias para esse uso e que, no Brasil, as faixas licenciadas de 450 MHz e de 700 MHz têm sido utilizadas em diversos testes das operadoras de Serviço Móvel Pessoal (SMP). Além disso, destaca o emprego da faixa de 250 MHz em redes limitadas privadas, em setores como agronegócio e indústria 4.0. 

“Com o atual impasse sobre a destinação da faixa de 450 MHz e a disponibilidade de 10+10 MHz na faixa de 700 MHz para leilão SMP, sugere-se que todas, ou pelo menos partes destas faixas, sejam canalizadas em blocos de 200 KHz”, propõe o CPQD. Segundo a organização, essa recomendação está apoiada no cenário atual de tecnologias propostas ao ITU-R WP 5D – grupo de trabalho da UIT (ITU, na sigla em inglês) responsável pelos aspectos gerais dos componentes de rádio dos sistemas de Telecomunicações Móveis Internacionais (IMT) -, em que 200 KHz é a menor largura de banda de cada canal prevista para uso de IoT no 5G.

Sobre o CPQD

Com foco na inovação em tecnologias da informação e comunicação, o CPQD mantém um portfólio abrangente de soluções que são utilizadas nos mais diversos segmentos de mercado, no Brasil e no exterior, e aceleram a geração de valor no processo de transformação digital contribuindo para a excelência operacional das organizações, a transformação da experiência dos usuários, a reinvenção de modelos de negócios, a segurança e conformidade e a criação de novos produtos. Referência tecnológica no país, o CPQD integra o ecossistema de inovação aberta que vem alavancando o empreendedorismo, por meio de sua notória competência em Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Conectividade, Blockchain e Mobilidade Elétrica. O CPQD é uma organização privada, com mais de 40 anos, que entrega serviços e desenvolve tecnologias de produtos e de sistemas de missão crítica aderentes às necessidades complexas do mercado. Esses são resultados do seu programa de P,D&I, que é a base para inovação em seus temas estratégicos no futuro das cidades inteligentes, do agronegócio inteligente e da manufatura avançada. O CPQD atua em toda a jornada de inovação – da ideia à implementação – e é apaixonado pela tecnologia que gera o desenvolvimento, o progresso e promove o bem-estar da sociedade.  

Relacionados

Kryptus
Kryptus participa de live do Grupo DARYUS

Compartilhe Kryptus participa de live do Grupo DARYUS sobre gestão da segurança da...

Fraude
Fraude SIM Swap cresce como principal ameaça às operadoras móveis

Compartilhe Desafio à cibersegurança, fraude SIM Swap cresce e se consolida como principal...

×

Olá!

Clique em nosso atendimento abaixo para bater um papo no WhatsApp ou envie um e-mail para [email protected]

× Como posso te ajudar?