abcd

Fraudadores aproveitam ascensão das fintechs para enganar vítimas

Share:

Claudia Amira, Diretora Executiva da ABCD – Associação Brasileira de Crédito Digital*

 

Golpistas enviam mensagens com promessas irreais

Não faz muito tempo, o termo fintech não era de domínio público. Pelo contrário, causava estranheza em meio a um ambiente ainda acostumado a relacionar as transações financeiras às agências bancárias tradicionais. No entanto, a tecnologia e a inovação abriram um novo caminho para o setor e, pouco a pouco, as fintechs se consolidaram. E foi justamente por isso que acabaram entrando para o repertório de golpes cibernéticos.

A dinâmica é mais ou menos aquela aplicada a outras fraudes: uma mensagem recebida pelo WhatsApp oferece empréstimo com taxas de juros mais baixas e um valor pré-aprovado mais alto do que o possível cliente conseguiria pleitear. Resumindo: uma série de condições excepcionais oferecidas por uma fintech de crédito. Só há uma condição para que a oferta se concretize: é preciso fazer um depósito antecipado o mais rápido possível. Apesar disso, é difícil não acreditar na proposta. Elas geralmente são acompanhadas por nomes de instituições renomadas, forjando até a identidade visual delas.

Por isso, a primeira coisa que se deve ter em mente é que solicitar depósito antecipado para liberar um empréstimo é uma prática ilegal, sujeita à responsabilidade criminal. Diante de uma situação como essa, a vítima deve fazer um boletim de ocorrência o quanto antes.

Vale também ficar de olhos abertos com os golpistas que solicitam um fiador, o que também se enquadra como prática ilegal. Importante lembrar sempre: seja qual for a modalidade de empréstimo, as empresas solicitam apenas as informações financeiras do tomador de crédito.

Na dúvida, desconfie de quem promete aumentar sua nota de crédito, porque isso não é possível. Também chamada de score, a nota é o resultado da análise do histórico de pagamentos de cada pessoa física ou jurídica. Ou seja, só pode ser consultada/acessada pela própria pessoa nos sites dos birôs de crédito, não estando aberta a outros consumidores.

Em tempos em que os fraudadores estão cada vez mais atentos às novidades do mercado, é preciso se manter alerta e checar a origem da suposta oferta de crédito – antes de clicar em qualquer link, é preciso verificá-lo. Lembrando que hoje os criminosos podem invadir seu computador ou telefone celular com apenas um clique. Um perigo!

As fintechs de crédito chegaram para simplificar, facilitar e democratizar o acesso ao crédito, por isso, para afastar qualquer risco, verifique se quem faz a oferta é uma fintech que é correspondente bancário de uma instituição financeira ou se é uma SCD (Sociedade de Crédito Direto) ou SEP (Sociedade de Empréstimos entre Pessoas). Geralmente, essas informações se encontram no rodapé da última página no website da fintech.

Relacionados

abcd
Financiamento privado no ensino superior

Claudia Amira, Diretora Executiva da ABCD – Associação Brasileira de Crédito Digital*  ...

ABCD
ABCD: Fintechs individualizam consumidores e empresas ao conceder crédito

O modelo de concessão de empréstimo e financiamento considera as características individuais para...