crédito abcd fintechs

O crédito hoje e no futuro

Share:

endividamento  Elias Sfeir, presidente da ANBC – Associação Nacional dos Bureaus de Crédito*

 

A indústria do crédito vem evoluindo, principalmente nos anos mais recentes. O desenvolvimento da tecnologia da informação está tornando o processo de avaliação de risco mais preciso. O uso crescente da tecnologia reduz a assimetria de informações, um dos problemas do mercado de crédito. Nesse cenário de ascensão tecnológica, os dados relevantes são imprescindíveis. Somente com a tecnologia sendo empregada na coleta e no armazenamento desses dados, conseguiremos diminuir a diferença de acesso à informação existente entre credor e devedor, os dois principais agentes de uma relação de crédito. Por dados relevantes, devemos entender como as informações financeiras que podem circular legalmente entre os agentes de crédito. Neste segundo e último artigo sobre o estudo “O crédito e seu papel socioeconômico no Brasil”, destaco o crédito no presente e no futuro.

Hoje em dia, aqui no Brasil, a maior parcela dos dados financeiros está concentrada quase exclusivamente em bancos e agências de crédito. A tendência é que esses dados fiquem em breve sob controle dos consumidores. E por qual razão isso é importante? Porque os próprios consumidores poderão escolher se vão usá-los para obter vantagens para si mesmos, como acesso a serviços financeiros e a formas de pagamento em condições mais justas. Essa mudança também é positiva para o mercado, já que estimula a competitividade, na medida em que fortalece as fintechs, empresas que oferecem produtos e serviços financeiros, assim como cooperativas e varejistas. É nesse sentido que vai o open banking, iniciativa apoiada pelo Banco Central e que faz parte, assim como o Cadastro Positivo no modelo opt-out, da Agenda BC+. 

Nesse contexto, as APIs (“Interfaces Programáveis de Aplicativos” na tradução para o português) são protagonistas. Esses sistemas de acesso digital voltados para a integração de softwares e serviços permitirão, no open banking, que uma imensa variedade de serviços financeiros possa ser criada. As plataformas dos bancos e das fintechs serão integradas com a premissa de que os dados financeiros pertencem às pessoas, de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que passará a vigorar em fevereiro de 2020.

O que já está certo é que essas mesmas pessoas, sejam elas físicas, sejam elas jurídicas, poderão utilizar suas informações de pagamento para obter acesso a crédito. Ou, caso já consigam acessar, contratá-lo a taxas de juros mais justas. Com a entrada em vigor do novo Cadastro Positivo a partir do dia 9 de julho, o mercado de crédito será beneficiado como um todo. O credor poderá realizar uma análise muito mais assertiva da capacidade de pagamento do tomador de crédito, já que terá acesso também às contas pagas, e não apenas às não pagas, como ocorre atualmente. Já o tomador, como escrevi, passará a usar seu histórico positivo de pagamentos a seu favor. São avanços legislativos como a alteração da lei do CP que permitem o desenvolvimento do mercado de crédito. 

A tecnologia deve estar ainda mais presente no futuro, com a utilização das redes neurais ou dos sistemas de inteligência artificial. Esses recursos vão analisar um imenso conjunto de dados brutos e entender padrões, com o objetivo de aprimorar a avaliação do crediário. Já o blockchain e o reconhecimento facial serão usados para enfrentar as fraudes.

 

Quais são suas impressões sobre o cenário atual e como você vê o futuro? Conto com seus comentários! Leia também meu artigo anterior sobre a história do crédito clicando aqui. 

 

Relacionados

Cadastro Positivo
Birôs de crédito esclarecem que procedimento para sair do Cadastro Positivo

Birôs de crédito esclarecem que procedimento adotado para sair do Cadastro Positivo enfatiza a...

Cadastro Positivo
Cadastro Positivo pode aumentar a arrecadação de impostos estaduais em AM

Em vigor a partir de 9 de julho, novo Cadastro Positivo pode aumentar...

×

Olá!

Clique em nosso atendimento abaixo para bater um papo no WhatsApp ou envie um e-mail para [email protected]

× Como posso te ajudar?