abcd

Pequenos negócios recorrem às fintechs em busca de crédito

Share:

Claudia Amira, Diretora Executiva da ABCD – Associação Brasileira de Crédito Digital*

 

No Brasil, de acordo com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), há 6,4 milhões de pequenos negócios. Nos últimos anos, com o crescimento do desemprego, que continua elevado, os empreendedores por necessidade tornaram-se numerosos. São aqueles empresários que foram forçados a abrir um negócio, já que, na impossibilidade de encontrar um emprego, viram no empreendedorismo a única forma de encontrar seu sustento.

Os pequenos negócios consistem nas micro e pequenas empresas (MPEs) e nos microempreendedores individuais (MEIs). É, aliás, essa segunda modalidade que mais concentra os empreendedores por necessidade, já que o faturamento máximo anual autorizado é mais baixo: até R$ 81 mil. Uma característica em comum desses empresários é a inexistência de garantias, especialmente as reais, como imóveis, para oferecer em troca de empréstimos e financiamentos. As MEIs, geralmente, não contam com funcionários. É o dono do negócio que executa todas as tarefas.

As MPEs respondem por cerca de 52% dos empregos com carteira assinada no setor privado e costumam ter uma estrutura de negócio mais desenvolvida, embora distante das grandes empresas. Essa porcentagem demonstra a relevância das MPEs para a geração de empregos. Neste momento, ainda que o desemprego tenha caído, quase 12 milhões de pessoas continuam sem uma ocupação formal.

Com a aprovação da Reforma da Previdência, a confiança voltou. De acordo com o Índice de Confiança dos Pequenos e Médios Negócios, calculado pelo Centro de Estudos em Negócios do Insper em parceria com o banco Santander, o avanço da confiança sobre o desempenho da economia no terceiro trimestre do ano passado, na comparação com o anterior, foi de 2,6%. Ao analisar as informações que compõem esse índice, os pequenos e médios estão insatisfeitos com as linhas de crédito disponíveis no mercado. Para 19,1% deles, deveria haver ampliação dessas linhas como forma de contribuir para o desenvolvimento das pequenas e médias empresas.

Nos últimos anos, as fintechs de crédito vêm ocupando esse espaço no mercado como alternativa ao sistema tradicional. O trabalho está sendo bem-sucedido. A capacidade de tomar crédito de cada pequeno e médio empresário é analisada de forma individual com o auxílio da tecnologia. Algumas associadas da ABCD (Associação Brasileira de Crédito Digital) registram por dia mais de 1,5 mil solicitações de pessoas jurídicas em busca de crédito mais barato, rápido e com atendimento sob medida.

As taxas mais atrativas, que podem ser até 70% menores do que as oferecidas pelas instituições financeiras tradicionais, a liberação rápida do crédito (muitas vezes, no mesmo dia) e o perfil colaborativo das fintechs explicam sua ascensão. Há fintech de crédito que, além de oferecer o empréstimo solicitado, fornece uma consultoria sobre o negócio e dá dicas ao tomador do crédito sobre como, por exemplo, administrar o fluxo de caixa, utilizando para isso um relatório de saúde financeira. Ainda hoje, não são raras as empresas que usam modalidades caras de crédito como cheque especial e rotativo do cartão de crédito para cobrir despesas do dia a dia.

Segundo as associadas da ABCD, o empreendedor, ao recorrer ao crédito, tem quatro necessidades principais: compra de estoque para datas especiais – e de maior movimento – como Natal, Dia dos Pais e Dia das Mães; expansão física do negócio; compra de equipamentos e capital de giro.

Há modalidades de crédito diferentes do empréstimo. Uma delas é a antecipação de recebíveis, também oferecida pelas fintechs de crédito, que consiste na possibilidade de o empreendedor transferir o crédito a ser recebido para uma fintech por meio da cessão de uma duplicata. Ao fazer isso, o empresário é remunerado pela fintech antes do prazo de vencimento do título. Ele não precisa, portanto, aguardar o vencimento da duplicata, que pode levar de 30 a 90 dias, para receber o dinheiro.

Nessa transação, a fintech faz o desconto de uma parte do valor como custo da operação de antecipar o crédito. As instituições financeiras tradicionais costumam exigir produtos atrelados à antecipação de recebíveis, como abertura de conta e dinheiro investido. Nas fintechs de crédito, não há qualquer exigência.

Cada vez mais, as fintechs de crédito, com foco nas pessoas jurídicas, estão se tornando uma excelente alternativa para MPEs e MEIs, que, como vimos, buscam atendimento de qualidade, serviços customizados e taxas diferenciadas.

 

Obrigada pela leitura! Fique à vontade para deixar seus comentários. Acesse outros conteúdos no site da ABCD.

Relacionados

Fintechs
Classes C, D e E são principais clientes das fintechs de crédito, aponta pesquisa

Classes C, D e E são principais clientes das fintechs de crédito, aponta...

Novo Cadastro Positivo torna as telecomunicações um agente de inclusão financeira

As telecomunicações devem ser um dos agentes de inclusão financeira porque seu potencial...

×

Olá!

Clique em nosso atendimento abaixo para bater um papo no WhatsApp ou envie um e-mail para [email protected]

× Como posso te ajudar?