ABCD

ABCD: 5 itens que é preciso saber sobre a segunda fase do Open Banking

Share:

ABCD: 5 itens que é preciso saber sobre o compartilhamento de dados do Open Banking

Dados cadastrais e transacionais de clientes começam a ser compartilhados a partir do próximo dia 13 de agosto 

 

São Paulo, 19 de julho de 2021: Prestes a dar mais um passo para se tornar realidade no Brasil, o Open Banking inicia no próximo dia 13 de agosto sua segunda fase, que envolve o compartilhamento dos dados cadastrais e transacionais dos clientes entre as instituições financeiras participantes do sistema financeiro aberto. 

Fundamental para que a iniciativa atinja seus objetivos de fomentar a concorrência e aumentar a eficiência e a inclusão financeira dos brasileiros, a nova etapa permitirá que a população utilize seus dados como bem entender, a fim de encontrar os melhores produtos e serviços financeiros para suas necessidades e perfil. Ou seja, dono de suas informações, o cliente poderá compartilhá-las com quem quiser, no momento que desejar e também cancelar a autorização para tal quando achar necessário. 

“O sistema financeiro passa por uma grande transformação, pautada sobretudo pela chegada de novos players, investimento em inovação, maior competição e melhor oferta de produtos e serviços”, afirma Rafael Pereira, presidente da Associação Brasileira de Crédito Digital (ABCD). 

“E o Open Banking vem consolidar ainda mais esse ecossistema ao empoderar o cliente como o dono de seus dados, permitindo assim que ele escolha o cartão de crédito mais adequado à sua realidade e busque o financiamento com as melhores taxas, por exemplo, sem estar preso a uma única instituição”, completa. 

E para esclarecer o que realmente vai acontecer a partir do 13 de agosto, a ABCD listou cinco questões-chaves sobre a segunda fase de implementação do Open Banking:

 

  1. Como autorizar o compartilhamento dos dados? Primeiro será preciso fornecer o consentimento no ambiente da instituição que o cliente deseja que tenha acesso às suas informações – por exemplo, uma fintech com uma oferta de crédito mais vantajosa. Em seguida, ele será redirecionado para a sua instituição financeira ou de pagamento atual e, nesse ambiente, autenticará sua identidade e confirmará o compartilhamento. Para finalizar, o solicitante será redirecionado ao ambiente onde fez o pedido inicial para aprovação final. Só a partir daí, os dados serão compartilhados. Durante a confirmação do compartilhamento será possível revisar as informações que deseja compartilhar e verificar se estão corretas.
  2. Quem pode autorizar o compartilhamento dos dados no Open Banking? Somente o titular das informações pode solicitar o compartilhamento. As instituições financeiras ou de pagamento não podem dividir informações sem o consentimento expresso de seu dono. 
  3. Por quanto tempo cada consentimento é válido? É possível cancelá-lo? Cada autorização tem validade de 12 meses e é possível pedir o cancelamento a qualquer momento, por meio do mesmo canal de atendimento em que ela foi concedida. Após a solicitação, o consentimento será cancelado de forma imediata ou, no caso da iniciação de pagamentos, em até um dia. 
  4. O cliente pode escolher quais informações serão compartilhadas? Sim. Os clientes poderão  selecionar quais dados serão compartilhados quando fizer a autenticação e der seu consentimento para a instituição financeira ou de pagamentos com a qual pretende compartilhar seus dados. 
  5. O que fazer ao receber uma comunicação solicitando o compartilhamento dos dados? A confirmação do consentimento para compartilhamento de dados só deve ser dada caso o consumidor conheça a informação a ser compartilhada e a instituição que a receberá. Ao desconfiar da origem da comunicação recebida, o melhor é buscar os canais oficiais da instituição para checar a veracidade da mensagem. 

 

VEJA TAMBÉM:  Verificação da capacidade de pagamento pode evitar superendividamento

Sobre a ABCD

A ABCD (Associação Brasileira de Crédito Digital) é uma associação sem fins lucrativos de âmbito nacional formada por fintechs que oferecem produtos e serviços financeiros. Em franco crescimento no Brasil e no mundo, as fintechs estão mudando a dinâmica do mercado de crédito. São três os objetivos principais da ABCD: busca de maior eficiência no ciclo de crédito, fomento de iniciativas que propiciem o desenvolvimento do mercado de crédito digital no qual as fintechs associadas atuam e criação de relacionamento institucional consistente com os reguladores e demais agentes do ecossistema do crédito.

Relacionados

CPQD
CPQD celebra resultados de seu projeto de transformação cultural

CPQD celebra resultados de seu projeto de transformação cultural Campinas, 14 de novembro...

Furukawa
Furukawa recebe certificação internacional voltada à saúde e segurança

Compartilhe Furukawa recebe certificação internacional voltada à saúde e segurança do trabalho São...