Setor de energia

Seis práticas lesivas que afetam o mercado do crédito, segundo a ANBC

Share:

Seis práticas lesivas que afetam o mercado do crédito, segundo a Associação Nacional dos Bureaus de Crédito

Mesmo assim, de acordo com dados do Banco Central, o segmento cresceu em 2022, pelo terceiro ano consecutivo

São Paulo, 26 de julho de 2023: O mercado de crédito vem ganhando impulso no Brasil, beneficiado por uma série de inovações que ocorreram nos últimos anos. O Relatório de Economia Bancária 2022, publicado pelo Banco Central, confirma esse desempenho. Segundo o documento, a carteira de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) encerrou 2022 com forte crescimento, pelo terceiro ano consecutivo. O saldo total dos empréstimos e financiamentos do SFN cresceu 14% no ano, alcançando R$5,3 trilhões, e a participação do crédito no Produto Interno Bruto (PIB) subiu 1,2 p.p. no ano, atingindo 53,8% em dezembro.

O crescimento do setor de crédito tem sido consistente a ponto de neutralizar a existência de práticas lesivas que tendem a afetar a dinâmica desse mercado, que é um dos motores da economia. De acordo com a Associação Nacional dos Bureaus de Crédito, todas as iniciativas que comprometam o acesso a informações relativas ao crédito podem ser consideradas prejudiciais.

Elias Sfeir, presidente da ANBC, esclarece que os birôs de crédito são empresas de alta tecnologia que geram estudos precisos sobre o comportamento de crédito de pessoas e empresas, sendo fundamentais para o país, pois quanto maior a transparência, melhor serão as relações de consumo e a saúde financeira dos brasileiros.

Segundo a ANBC, são seis as principais práticas lesivas que podem prejudicar o setor:

1 – Supressão de informação de negativação: a exclusão de apontamentos de negativação do rol de informações de crédito gera incertezas econômicas e jurídicas para quem oferece crédito e ao consumidor, impactando negativamente nas condições de crédito. Existem entidades ou empresas que buscam a supressão da informação de negativação que constituem a chamada “indústria do limpa nome”, que foram criadas para obter ganhos econômicos, e causam impactos negativos aos consumidores brasileiros e ao sistema de crédito.

VEJA TAMBÉM:  Novo Cadastro Positivo pode injetar R$ 35 bilhões na economia pernambucana

2 – Limitação no registro das informações: prejudica o mercado porque cria assimetria de informação, o que impacta na precisão das análises de crédito. Isso pode prejudicar o credor, que deixa de receber, e o tomador de crédito, que pode ficar superendividado.

3 – Aumento dos custos relacionados às informações de crédito: os bancos de dados que fornecem análise de crédito exercem uma função de interesse público. Dessa forma, o acesso a eles deve ser facilitado para todos aqueles que são autorizados por lei a acessar as informações.

4 – Burocratização do processo de negociação e de pagamento do débito: ao encontrar dificuldades para negociar e pagar o débito, com muitas instâncias envolvidas, o devedor permanece mais tempo nos cadastros de negativação, e o credor tem dificuldade de receber.

5 – Aumento dos custos para o tomador de crédito pagar o débito: custos adicionais relativos ao processo de pagamento da dívida penalizam o tomador de crédito e comprometem a quitação. Sua responsabilidade deve ser apenas o pagamento da dívida. O credor que cobra a dívida de forma eficiente, sem penalizar o tomador de crédito, incentiva a recuperação do crédito.

6 – Cobrança complexa e sem flexibilidade: Os processos de cobrança complexos têm como característica envolver diversas etapas para quitação da dívida, o que complica o processo. Facilitar a negociação e flexibilizar as formas de pagamento tornam a dinâmica de recuperação de crédito mais ágil e reforçam o relacionamento entre credor e tomador de crédito.

“Quem oferece crédito precisa saber o comportamento do tomador em relação aos pagamentos. Quem busca por crédito deve usar suas informações, a nota de crédito, por exemplo, para negociar taxas de juros menores e melhores condições de pagamento. Qualquer prática que atrapalhe essa dinâmica acaba por impactar a operação de crédito, prejudicando todos os envolvidos no mercado, sejam eles concedentes ou tomadores de crédito, e a economia como um todo”, afirma o presidente da ANBC.

VEJA TAMBÉM:  ANBC - 3 ações negativas da “indústria do limpa nome” no mercado de crédito

 

Sobre a ANBC

A Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC) é uma associação sem fins lucrativos, que tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento sustentável do crédito no Brasil. A ANBC congrega os birôs de proteção ao crédito que atuam no país e é uma das entidades fundadoras do Fórum Empresarial LGPD. Também é membro de associações internacionais para promover as melhores práticas do setor como a Associação de Fornecedores de Informação de Crédito ao Consumidor (ACCIS), que reúne 39 birôs de crédito do mundo, e a Associação Latino-Americana de Birôs de Crédito (ALACRED), é membro ainda do Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Ministério da Economia (FPMPEs). 

Relacionados

energia solar
Greener promove estudo para traçar perfil do setor fotovoltaico brasileiro

Greener promove novo estudo para traçar perfil do setor fotovoltaico brasileiro Pesquisa GD...

BrazilFoundation Minas Gerais
BrazilFoundation lança editais para apoiar organizações da sociedade civil 

BrazilFoundation lança editais dos Fundos de Educação e de Meio Ambiente e Mudanças...